Arquivo mensal: fevereiro 2015

Die Befragung

Padrão

Já internada, devidamente instalada no meu quarto (até aquele momento, sozinha nele), fui “interrogada” por um profissional do hospital. Me lembro até hoje da situação: o enfermeiro (ou teria sido o anestesista?) chegou com uma prancheta, caneta e muitos formulários na mão. Foi muito gentil para tentar me explicar o que ele precisava saber antes da cirurgia; viu que eu estava muito insegura, não dominava a língua, e teve muita paciência comigo.

Porém, nem todo o esforço do mundo, tanto da parte dele quanto da minha, tornaram possível que eu entendesse as perguntas que ele me fazia. Todas com palavras complicadíssimas, relativas à medicina, remédios, procedimentos cirúrgicos, históricos meus de saúde, tipos de intervenções, gente, sei lá do que mais ele estava falando … só sei que eu só conseguia responder uma ou outra pergunta (de várias páginas de questionários). Na maioria das vezes respondia as perguntas com um sorriso quase que pedindo desculpas por não entender o que ele estava dizendo. Realmente até aquele momento, uns 10 meses após a minha chegada na Alemanha, era impossível dominar aquele tipo de vocabulário, ainda mais nunca tendo passado por aquele contexto (nem no Brasil).

Após o término do “interrogatório”, ele se foi, e eu continuei lá, deitada, agora mais preocupada ainda, sem saber a real importância de todas aquelas perguntas para o sucesso da cirurgia, preocupada com as respostas que eu dei (será que eu tinha realmente entendido direito algumas das perguntas?). Ah, que medo!

Befragung 1

Anúncios

Die Vorbereitung

Padrão

Chegando ao 3. andar, após fortíssimas emoções (para relembrar, leia o post “Der Taxifahrer”), respirei aliviada por um lado, mas, por outro lado, senti um peso enorme nos ombros. No dia seguinte eu seria operada! E aí, pensava, como vai ser? Como vou entender os médicos, enfermeiros, enfim, o que vai realmente acontecer lá? Como fazer com o trabalho (nessa altura, já tinha começado no meu terceiro restaurante da cidade, alemão, após pedir demissão do grego – para relembrar, leia o post “Die Treppen – eine komplizierte Beziehung”)? Quanto tempo ficaria “de molho”, ou seja, sem ganhar nada? Do que viveria? Gente, quantas dúvidas, quantos medos, quanta insegurança, quanta solidão!

Naquele momento, porém, só podia tentar manter a calma, dormir, no dia seguinte avisar as pessoas, e contar com a ajuda de alguns amigos. Eu ia precisar muito deles … e realmente precisei …

unsicherheit