Arquivo mensal: janeiro 2017

der Simultandolmetscher

Padrão

Para ser tradutor/intérprete basta conhecer as duas línguas em questão? Não!

Achei bárbara essa entrevista Norbert Heikamp sobre o seu trabalho como intérprete simultâneo. Ele elenca uma série de habilidades que um intérprete deve possuir para ser um bom profissional e cita como exemplos os trabalhos feitos junto a Obama e Trump.

Quando estudei em Heidelberg, fiz apenas um semestre na disciplina de tradução simultânea a título de curiosidade, já que eu queria mesmo era estudar a tradução escrita. Foi um semestre riquíssimo, onde um mundo novo se abriu para mim, pois eu nunca tinha imaginado quanta coisa está por trás do trabalho de um intérprete!

Nessa entrevista vocês podem conhecer um pouco do trabalho maravilhoso feito por esse profissional.

Dolmetscher Norbert Heikamp

http://www.spiegel.de/lebenundlernen/job/uebersetzer-norbert-heikamp-donald-trump-ist-unberechenbar-a-1130713.html

Endlich

Padrão

Finalmente chegara o dia de tirar o gesso. Que alívio seria tirar aquele peso!

Apreensiva cheguei ao hospital levada de carro por um amigo, que ficou me esperando. Entrei na sala, sentei na maca e quase morri de pavor ao ver aquela serra cortando o gesso, achando que aquilo se transformaria num filme de terror, em que a serra continua e corta a perna ao meio. Credoooo!

Claro que isso não aconteceu. Assim que a enfermeira tirou o gesso, o que vi foi uma perna bem fininha, músculos muito atrofiados. Quando levantei a perna pra sair da maca, quase caí para trás, de tão leve que ela ficou de repente.

A sensação de caminhar sem as muletas era a de uma criança reaprendendo a andar: faltava o jeito, a ginga, o equilíbrio, o foco. Que sensação mais estranha!

Era inverno. Fazia muito frio. E um perigo maior me esperava lá fora: o gelo.

tirando-o-gesso

 

Ein langweiliges Leben

Padrão

Bom, continuando a novela … não era todo dia (mesmo) que eu me encorajava a sair pra passear. Como já contei, tinha todo o trabalho de me vestir com aquela perna engessada, descer as escadas do prédio de muletas (principalmente os primeiros degraus da parte mais antiga, de madeira e tal). Por isso a minha vidinha de convalescente era bem monótona: dormir, ler, comer … só ficava mais animada quando um grupo de amigos chegava pra bater papo e contar os últimos babados. =D

Mas um dia pelo menos a comida foi bem especial! Uma das minhas irmãs estava passando um tempo na Alemanha, e num dos dias em que me visitou, fez um arroz ao forno que … nossa … sem palavras! Até hoje lembro desse dia, do arroz, desse mimo!

arroz-ao-forno

Nachrichten

Padrão

Essa notícia parece uma coisa, mas é outra  (pelo menos foi assim comigo) …

verpackungen

http://thegreenestpost.bol.uol.com.br/alemanha-acabara-com-prazos-de-validade-de-alimentos-embalados-para-reduzir-desperdicio-de-alimento/