Arquivo mensal: agosto 2014

Kulturelle Gewohnheiten – 7

Padrão

Eita assunto delicado esse, viu?

Kultur

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2010/05/estrangeiros-listam-dez-exemplos-que-o-brasil-poderia-exportar-2898352.html?utm_source=Redes+Sociais

7 – Pois é, né? Logo que cheguei na Alemanha, morei sozinha em Owingen. Ok, sozinha não se conhecem os costumes do país no que se refere a higiene pessoal. Logo me mudei pra Tübingen, pra uma república, lembram? E pra uma república sem banheiro, só com toilette. Como eu contei no post “Ein neuer Anfang”, tomava banho na república de cima, ou seja, eu não percebia se as meninas tomavam banho todo dia ou não. Mas … eu observava tudo e ouvia comentários, principalmente dos brasileiros, sobre a higiene dos alemães. Tudo que fiquei sabendo teoricamente fui vivenciando aos poucos. É, realmente os alemães que eu conheci não tomavam banho como nós, brasileiros. Escovar os dentes tantas vezes por dia também não vi, como dizem os estrangeiros do link acima. Porém, sempre respeitei os hábitos deles, afinal de contas, outra cultura, outros pontos de vista, outros contextos! Um rapaz me disse um dia que não usava desodorante porque o spray prejudicava a camada de ozônio (isso foi em 1988). Certíssimo! Eu, apesar de achar sensato o ponto de vista dele, nunca deixei de usar …

Die Aufnahmeprüfung – 2

Padrão

Bom, na verdade só me lembro de uma das partes da prova: a de compreensão auditiva. Já já vocês vão entender porquê …

No total, a prova era composta de várias partes: gramática, vocabulário, interpretação de texto, compreensão auditiva, redação.

Ficou marcada na minha memória essa única parte pelo seguinte motivo: nas partes de interpretação, fosse a escrita ou a auditiva, os professores que aplicavam a prova passavam os sinônimos de algumas palavras para nos ajudar um pouco. Era uma ótima maneira de saber se a gente tinha vocabulário, já que precisávamos saber sinônimos pra entender as dicas, certo?

Porém … qual não foi a minha decepção (e a de todos os alunos falantes maternos de línguas românicas) enquanto ouvíamos os sinônimos de palavras dos textos … derivadas do latim! Oh nein! “Que que é isso, gente? Essas aí a gente sabe!”. Claro, “a gente” éramos nós, falantes de qualquer uma das línguas românicas … para os outros estudantes, claro, foi de muita ajuda, mas para nós, foi de chorar!

Vou dar uns exemplos:

– telefonieren (telefonar)

– reservieren (reservar)

– zitieren (citar)

– akzeptieren (aceitar)

– dekorieren (decorar)

– organisieren (organisar)

– installieren (instalar)

E por aí vai … são muitos os verbos terminados em -ieren em alemão, que nos remetem ao português.

Se tiverem curiosidade, deem uma olhada neste link com mais exemplos:

http://wortsuche.com/ends-with-by-length/ieren/

oh nein

palavras em latim

Kulturelle Gewohnheiten – 6

Padrão

E os estrangeiros?

Kultur

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2010/05/estrangeiros-listam-dez-exemplos-que-o-brasil-poderia-exportar-2898352.html?utm_source=Redes+Sociais

6 – Sim, os estrangeiros são bem tratados no Brasil. E lá na Alemanha? Bom, diria que a resposta depende muito: da época, da nacionalidade do estrangeiro, da região da Alemanha, da faixa etária … enfim, é uma questão bem complexa.

Mas se eu tivesse que dar uma resposta rápida, baseada só na minha experiência, diria que vivi diversas reações dos alemães quanto à minha estada naquele país. Alguns alemães achavam muito, muito interessante que eu estivesse lá, não só pela minha história mesmo, mas também porque eles, assim, poderiam aprender e conhecer através de mim uma outra cultura; outros me olhavam com desconfiança, achando que eu iria “roubar” uma oportunidade de trabalho deles (embora eu só tenha trabalhado como estudante); outros ainda me julgavam pelos estereótipos que possuíam, pensando que eu teria ido para “arrumar marido”.

Com relação a pedir informações na rua, como é mais comentado no link acima, posso dizer que os alemães são, neste quesito, como em outras áreas, extremamente sinceros: se sabiam, explicavam direitinho, se não sabiam, diziam isso diretamente. Fato que me surpreendeu no início, mas que foi daquelas estranhezas que com o passar do tempo se tornaram experiências agradáveis, como já comentei em outros posts. Fui me dando conta de que esse tipo de postura fazia muito mais sentido do que ouvir qualquer explicação que as pessoas aqui costumam dar só pra não dizer que não sabem …