Arquivo da tag: kulturelle Unterschiede

Kulturelle Gewohnheiten – 7

Padrão

Eita assunto delicado esse, viu?

Kultur

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2010/05/estrangeiros-listam-dez-exemplos-que-o-brasil-poderia-exportar-2898352.html?utm_source=Redes+Sociais

7 – Pois é, né? Logo que cheguei na Alemanha, morei sozinha em Owingen. Ok, sozinha não se conhecem os costumes do país no que se refere a higiene pessoal. Logo me mudei pra Tübingen, pra uma república, lembram? E pra uma república sem banheiro, só com toilette. Como eu contei no post “Ein neuer Anfang”, tomava banho na república de cima, ou seja, eu não percebia se as meninas tomavam banho todo dia ou não. Mas … eu observava tudo e ouvia comentários, principalmente dos brasileiros, sobre a higiene dos alemães. Tudo que fiquei sabendo teoricamente fui vivenciando aos poucos. É, realmente os alemães que eu conheci não tomavam banho como nós, brasileiros. Escovar os dentes tantas vezes por dia também não vi, como dizem os estrangeiros do link acima. Porém, sempre respeitei os hábitos deles, afinal de contas, outra cultura, outros pontos de vista, outros contextos! Um rapaz me disse um dia que não usava desodorante porque o spray prejudicava a camada de ozônio (isso foi em 1988). Certíssimo! Eu, apesar de achar sensato o ponto de vista dele, nunca deixei de usar …

Anúncios

Kulturelle Gewohnheiten – 2

Padrão

Continuando os comentários sobre as diferenças culturais consideradas positivas pelos estrangeiros que estão visitando o Brasil …

Kultur

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2010/05/estrangeiros-listam-dez-exemplos-que-o-brasil-poderia-exportar-2898352.html?utm_source=Redes+Sociais

2 – Ah, o abraço … uma das coisas que eu mais estranhava no início da minha vida na Alemanha era a falta de contato físico. As pessoas não se abraçam, se beijam e tal como aqui. Um aperto de mão é comum, e para se fazer perceber o grau de intensidade/amizade/carinho pelo outro é possível dar um aperto de mão “diferenciado”, mais longo, mais caloroso, com as duas mãos, enfim, há variações. Abraço mesmo só com quem se tem muita intimidade …

Porém, muitos estudantes alemães que conviviam conosco, estudantes brasileiros, aprendiam rapidamente a nossa linguagem corporal e davam sim beijinhos, abraços, tapinhas nas costas e tal. Meio sem jeito a princípio, mas mais à vontade com o tempo. Claro que sempre existem aqueles que são mais reservados, por isso alguns continuavam nos seus costumes ou outros, tímidos, somente em parte se sentiam à vontade para tocar mais o outro. Todos nos respeitávamos, cada qual com seus costumes. Um aprendizado muito enriquecedor!

Mais comentários sobre o abraço no post “Schmerzen”.